Ganda Ordinarice

Desabafo bem intencionado e imagético sobre o Salão Erótico de Lisboa.

quinta-feira, junho 21, 2007

IT’S A SONIA, BABY!

It’s a Sonia, Baby. Pois é. O trocadilho é fácil. Mas não estou em grande forma. Dormi mal, com a aproximação do Salão Erótico. Fiquei com os calores.
Aí está ela, Sonia Baby, a acrobata vaginal que deslumbrou a assistência do SIEL 2006. A mulher que deu um grande banho aos mais desprevenidos fotógrafos da primeira fila. E tudo lhe saiu das entranhas em grande velocidade. Por favor, não façam isto em casa.

É no que dá um gajo chegar cedo e ser o primeiro a sentar-se na plateia.
Fiquei muito bem acompanhado pela Dúnia Montenegro e pela Sonia Baby.


A mulher que bateu o recorde mundial de corrente de pérolas dentro de si (podem ir aos arquivos de Julho de 2006, se não quiserem esperar para ver as fotos fresquinhas deste ano).
A mulher que acabou as suas actuações a tirar da passarinha as bandeirinhas dos países participantes no Mundial.

A mulher que entrou no Cinema Paraíso acompanhada por Dúnia Montenegro e Anastasia Mayo (afinal a Anastácia é com S ou C? Que se lixe! Parece que tem dupla grafia). A mulher que é uma verdadeira mulher mas que também é uma verdadeira menina traquina.
Boa disposição é o que não falta.

Sanduiche de Anastasia Mayo, reverendamente osculada por Dúnia e Sonia

Incentivou Dúnia Montengro a fazer “holas” de homenagem ao director do Salão, Juli Simón, que não sabia se havia de rir ou de a refrear, temendo a continuação do episódio.
Tirou a pastilha elástica da sua boca e esticou-a todinha para dentro da boca de Dúnia. Ó senhores ouvintes, era ver os meus camaradas jornalistas a disparar flashes. Nunca tinha sentido tantos flashes perto de mim. Faz de conta que sou eu o obsequiado. Mãozinha no ar tipo Rainha de Inglaterra.

Vamos ter muita Sonia este ano. Eu prometo. O que puder ser. O ano passado fiquei cativado pela artista. E se quiserem podem comprar a revista “BD Voyeur” número um (stand da Dominium).Tem uma sequência de perto de 30 fotos, que eu fiz o ano passado com o recorde de Sonia Baby.

Roberto Chivas y sus muchachas, por assim dizer.
O espanhol foi um sensacional "speaker" do SIEL 2005 e ainda teve tempo
para gravar uma cena porno que foi motivo de reportagem no extinto "Independente"


E vou ver se consigo oferecer o meu livro de poesia obscena à Sonia e à Dúnia. Elas merecem. Gostaram de ver o Dick Hard de corninhos, no flyer que aproveitei para distribuir. E manifestaram-se agradadas com a minha cobertura do ano passado. Ora ainda bem. Eu gosto de ver as pessoas felizes.


Auto-publicidade Poético-erótica

14 Comentários:

  • Às 3:07 da manhã , Blogger Alvaro disse...

    Ó Luís, porque é que não pousaste a mala no chão?

     
  • Às 10:44 da manhã , Anonymous Anónimo disse...

    Luís, uma vez que está a acompanhar de perto o Salão, será que pode comunicar quais os vencedores dos concursos (uma vez que o site nada diz sobre essa matéria)?

    Muito obrigado!

    C

     
  • Às 4:48 da tarde , Anonymous Luís Graça disse...

    Terei o maior gosto em comunicar os vencedores dos concursos, mal a informação me seja prestada.

    O ano passado entrevistei o João Abreu (ver post nos arquivos, em Julho 2006), vencedor do concurso de contos. Também aconselho o site de Carruço (www.carruco.com), um doa artistas que teve obra no Salão o ano passado.

    Este ano já vi expostas 15 fotos à entrada do pavilhão, mas os prémios não estavam indicados. Não sei mesmo se já houve uma hierarquização.

    Como digo, estarei atento. Mal saiba, comunico.

     
  • Às 4:51 da tarde , Anonymous Luís Graça disse...

    Caro Álvaro:

    A mala é uma boa base para escrever. Mas olha que a Dúnia Montenegro apalpou muito macho lusitano no casting do primeiro ano do SIEL e os senhores...nada!

    Um gajo fica tão nervoso que é assim. E isto é que é o normal.

    Mesmo assim, posso dizer-te que a Sonia Baby, a Dúnia Montenegro e a Claudia Claire já tiverem nas mãos as minhas "Erecções". E vão levá-las para casa, com autógrafos e tudo.

     
  • Às 10:05 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

    Luís, muito obrigado pela pronta resposta! Eu concorri à categoria de contos, mas aparentemente não devo ter ganho. De qualquer forma gostaria de ler o trabalho vencedor, por isso lhe perguntei se estava a par disso.

    Um abraço,

    C

     
  • Às 4:21 da tarde , Anonymous Luís Graça disse...

    Caro Anónimo(C):
    Não tem nada de agradecer.Eu é que tenho de pedir desculpa, pois forneci uma informação errada. Tem tudo a ver com as pouquíssimas horas de sono que dormi nos últimos dias.

    Estava à procura do termo "PRÉMIO" nas fotos e nem reparei que os prémios estavam indicados como "COLOCADO". Se fizer o favor de subir um pouco até ao post que tem uma foto de uma menina de gravata à Boavista e duas fotos da Symba a pintar já terá divulgados de forma correcta os três primeiros classificados no concurso de pintura.

    Hoje já soube qual o vencedor do concurso de contos.
    João António Almeida Ribeiro de Abreu, com "12 badaladas". Não consegui apurar se é o mesmo João Abreu que ganhou o concurso de contos no SIEL 2006. Há um post sobre isso em Julho de 2006, com foto do premiado.
    O último comunicado de Imprensa promete a publicação no site do conto vencedor.

    Se tem a paixão da escrita, não desanime. Já perdi e ganhei muitos prémios em concursos.

    Posso dizer-lhe que fui convidado para ser júri deste concurso e declinei. Precisamente porque achei que o júri ia ter muito pouco tempo para analisar os contos.
    Sinto-me honrado pelo convite, mas acho que os concorrentes merecem total disponibilidade dos elementos do júri. E eu estive muito ocupado com todo o processo de lançamento de três livros no mesmo dia e não sabia se continuava num workshop de teatro com o José Sanchis Sinisterra. E também "chumbei" do segundo para o terceiro módulo.

    Os prémios são excelentes incentivos para a escrita, mas não deixe que uma eventual frustração o impeça de escrever. Repare que os grandes vultos da literatura portuguesa são um perfeito embuste: Eça de Queiroz, Bocage, Camões, Fernando Pessoa (para só citar alguns) não passam de escritores muito apoiados pelo lobby da Imprensa e da televisão.
    Camões, por exemplo, dava terríveis erros de gramática. Escrevia farmácia com PH.

     
  • Às 4:29 da manhã , Anonymous Anónimo disse...

    Caro Luís, desta minha candidatura ao concurso de contos só posso dizer que a descoberta do seu blog foi o maior ganho! O seu incentivo à continuação da escrita é genial, e nem encontro palavras suficientes para lhe agradecer, por isso só digo obrigado!

    Os seus posts são óptimos para ler, muito mais interessantes do que a sua poesia, mas de qualquer das formas dou-lhe os parabéns pela publicação do livro.

    Quanto aos contos, vou deixar de concorrer ao salão. Neste momento só aguardo pela publicação do vencedor para ver o eleito do jurí.
    A descrença tomou conta de mim, e por isso vou levar os meus contos eróticos (área onde tenho trabalhado nos últimos 5 anos) a outras paragens.

    Acho que você fez um trabalho espantoso com os relatos e descrições do salão, conseguiu torná-lo vivo e cómico e trouxe-nos observações deliciosas. Uma excelente contribuição, comparada com a publicidade dos média, e com o próprio site oficial (com a sua tradução merdosa do espanhol para o português). Eu sou do Porto e não irei visitar o salão, mas também estou certo de que o melhor já vi. Está aqui.

    Abraço,

    C

     
  • Às 4:19 da tarde , Anonymous Luís Graça disse...

    Caro C:

    Muito obrigado pelas suas palavras e pela sinceridade. Esta poesia é perfeitamente assumida por mim, mas é apenas uma faceta da minha escrita poética. Mesmo neste livro existem cerca de 70 poemas de pendor lírico, sem linguagem obscena.

    Se gostou da cobertura deste ano, pode ir aos arquivos e começar em Julho a ver a do ano passado, que foi feita de modo muito mais calmo e por planear. Os editoriais explicam tudo.

    E se passar por www.afundasao.blogspot.com tem a minha cobertura do Salão de 2005. Em 2006 já foi o Pedro Laranjeira que a efectuou.

    Se gosta deste registo, deve gostar do outro blog: sexonanoite (Diário Sexual de um escritor frustrado).

    E pode ler na íntegra o livro "15 desatinónimos para Fernando Pessoa" no blog "15desatinonimos". Vai vai que são registos com diferenças.

    Grande abraço para o Porto, onde estive o ano passado em encontros literários no Clube Literário e no Espaço JUP.

     
  • Às 2:07 da manhã , Anonymous Tiago disse...

    Luis, como se chama a rapariga que está na ponta do lado direito, vestida de creme na foto com o Chivas? É a Victoria Lanz?

     
  • Às 5:39 da manhã , Anonymous Luís Graça disse...

    Correctíssimo. É ela. De resto, foi mesmo com ela que o Roberto Chivas actuou já mesmo pertinho das 22 horas de domingo.

    O ano passado a despedida foi com a Zeta, este ano com a digníssima senhora Lanz.

    O Roberto penetrou-a com um dildo castanho, transpirou que se fartou e disse que ela o deixava mesmo louco.

    Depois do espectáculo da Sonia Baby declarou encerradas as "hostilidades" no palco da IFG e teve um gesto de simpatia para com o público, deixando os agradecimentos a todos.

    E sabe-se ver quando as palavras são de ocasião ou são sentidas.
    Rematou com o desejo de que para o ano já haja mesmo "sexo ao vivo". Por sexo ao vivo entenda-se sexo entre homens e mulheres, que sexo entre mulheres tem havido sempre.

    E despediu-se de mim com um grande abraço: "Gracias por todo". Estas coisas caem bem.

    Andei à tua procura e do resto da malta, mas tinham ido jantar e o Tomané estava cheio de pressa. Eu com uma "directa", todo à toa.
    De modo que fomos directos para a nossa última reunião de trabalho, para escolher fotos e ele poder enviá-las para o "oficial de dia" das postagens.

    De qualquer forma, já ia mandar mails para o pessoal todo, a agradecer as atenções e a vossa ajuda.
    Disponham. Têm os meus contactos.

    Eu ainda vou continuar a postar. Há ainda mais material. E quando acabarem as fotos há sempre os 14 contos do Dick Hard, que tinham saído em "A Funda São", antes do primeiro Salão Erótico.

    Estou a recuperá-los. Por dois motivos. O primeiro é manhoso: quando os meus amigos não tiverem tempo para postar mais demoradamente, o conto não custa nada, ou quase.

    O segundo é altruísta: acho que a rapaziada se vai divertir. A recção dos visitantes de A Funda São foi muito boa.

    Isto eram coisas que eu escrevia ao bater da tecla, em duas horas ou pouco mais, só para me divertir.Mas acabei por criar um outro Dick Hard. Não o autor da poesia obscena, mas um detective que é um desgraçado. Um Mike Hammer que é sempre "embrulhado".

    É o conceito da campanha publicitária dos cigarros "Hamlet", que durou 16 anos em Inglaterra, segundo explicou John Salmer, num festival de publicidade organizado pelo José Carlos Campos, no Maria Matos.

    O conceito: "serenidade na derrota".

    Portanto, estes 14 contos do Dick Hard são pior literatura do que os contos de "O homem que casou com uma estrela porno e outros contos perversos", "A mulher que fazia recados às putas e mais contos perversos", "15 desatinónimos para Fernando Pessoa", "Neura 2004", o conto que saiu na revista PESSOAL (Formiga Zé), o conto que saiu na AZUL BD TRÊS (Beleza em cubos de gelo)ou o conto que apareceu no recente blogue Folhetins e Novelas: "Todas as putas a sério têm bom coração".

    Mas dá para um gajo se divertir. Está lá o meu sentido subversivo e uma certa ligeireza a manejar a pluma. Perdem numa coisa: há algumas piadas que são directamente dirigidas a visitantes habituais do A Funda São.

    Grande abraço para ti e tudo de bom.

     
  • Às 7:33 da manhã , Anonymous Tuiago disse...

    Um grande abraço para si também Luis! Na Feira do LIvro, ou no Siel, vamos acabar por nos cruzar por aí. E obrigado pelo comentário positivo ao trabalho da SpeedCom! Da nossa parte correu tudo bem. O resto já não é connosco...:) Grande abraço!

    Tiago

     
  • Às 9:57 da manhã , Anonymous Luís Graça disse...

    Abraço para SI?!? Atão a gente já na se tratava por tu, compadri?
    Não há nada que agradecer.
    Escrevi o que tinha que escrever.
    E o elogio que está no balanço do SIEL que saiu hoje já estava escrito há dias.
    O do comentário é posterior.

    Como disse o ano passado ao Manel de Jesus (Deep Step), também um gajo espectacular, como o André, a Joana e a Sandra, uma coisa é a assessoria de Imprensa, outra as condições gerais do Salão.

    Mas sei por muita gente que lá esteve que a imagem da organização ficou chamuscada. Não haver um programa oficial é perfeitamente decisivo para desorientar público e jornalistas. As pequenas falhas foram muitas e as coisas vêm a piorar de ano para ano.

    Estou curioso para ver como vai ser no Algarve,só em três dias, com um tipo de público diferente e muito mais estrangeiros, certamente.

    Vocês vão lá estar a fazer assessoria? No caso negativo, sabem quem a vai fazer?

    Grande abraço:

    Luís Graça

     
  • Às 1:17 da tarde , Anonymous Tiago disse...

    Não sei Luís. Não tenho informação se será a SpeedCom. ConfirmA com o Jorge.

    A falta do programa e de horários dificulta o trabalho a quem vai e a quem está como nós a lidar com a imprensa, pq muitas vezes pode passar a imagem de que é uma falha nossa enquanto assessoria de imprensa, quando não é assim....

     
  • Às 3:35 da manhã , Anonymous Luís Graça disse...

    Obrigado, Tiago.

    No que me toca, deixo perfeitamente explícito que o trabalho da assessoria de Imprensa é independente de outros factores. Foi isto que ficou escrito no artigo para a "BD Voyeur", sobre o II Salão, foi isto que saiu no blogue.

    Este ano também já está feita a "divisão das águas" ao longo das caixas de comentários e, muito rpincipalmente, no DICKATORIAL, o editorial que contém o balanço do Salão e que os meus amigos até já postaram na coluna da direita do blogue, ao lado dos editoriais anteriores.

    O que pode acontecer é isto: os jornalistas que nunca tenham tido contacto com o Salão Erótico ficam desagradavelmente surpreendidos com a falta de informação da assessoria de Imprensa e partem do princípio de que há negligência.

    Mas se tiverem tempo de dialogar com os elementos da assessoria já ficam a saber que não é assim. O problema é que muitas vezes passam "de raspão" pelos acontecimentos (devido a uma agenda sobrecarregada) e não têm tempo de esclarecer as situações.

    Como eu tinha falado com a Isabel Lepkison, as mudanças de assessoria de Imprensa têm estes custos. Se para o ano vocês fizerem o Salão, certamente já estão "a pau" com uma série de coisas. Se forem outros, eles forçosamente "levam com o embrulho" a toda a força.

    Uma coisa é certa: uma boa assessoria de Imprensa aliada a uma boa máquina organizativa potencia sempre da melhor forma um evento, mesmo que ele seja mau.
    Uma má assessoria de Imprensa, aliada a uma má organização "destrói mais do que uma legião armada até aos dentes", para citar o Astérix.

    E uma boa assessoria de Imprensa, que não tenha tempo de se coordenar com uma máquina organizativa muito ocupada para tratar de pormenores importantes pode levar a equívocos.

    O maior custo fica com a máquina organizativa: a imagem do evento sai altamente prejudicada perante o público.

    Grande abraço.

     

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial