Ganda Ordinarice

Desabafo bem intencionado e imagético sobre o Salão Erótico de Lisboa.

domingo, fevereiro 04, 2007

O teu sexo chamava-se Cadbury

























O teu sexo chamava-se Cadbury
por isso cheirava a hortelã-pimenta
à saída de um banho de espuma

Quando a minha língua inventava ralis de serpente
nas areias do deserto, a tua gruta de penugens avulsas
abria-se ao Mundo num ritual contemplativo de prazer

Ali as babas de Ali Babá se disfarçavam de baba de camelo
e a tua pele era tesouro de rubis
fundidos num desejo insano derretido

E quando gemias a tua voz sabia a morangos com chantilly
e o meu nariz era como um falo de Bergérac
a esgrimir fogosidades de Cyrano

Sei que não me levas a mal
o gesto irreflectido de ter comido
o teu sexo todo de uma vez

Não resisti
como poderia resistir
quando o teu sexo se chamava Cadbury?

In “Antologia de Poesia Erótica,coordenação de Paulo Brito e Abreu, Universitária Editora, 1ª edição 1999, prefácio de José Fernando Tavares”.

Este poema foi declamado, entre outros locais, no Teatro Ibérico,num espectáculo intitulado “Como o diabo gosta”. E agora dedico-o à grande Mademoiselle Tomcalova. Espero que gostes, Silvia. Afinal, eu sou um “buzzer” do teu top.

0 Comentários:

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial