Ganda Ordinarice

Desabafo bem intencionado e imagético sobre o Salão Erótico de Lisboa.

quinta-feira, setembro 06, 2007

SEXY 2007


2º Episódio - A vingança do bufo queixinhas

Resumo do episódio anterior: uma alegada menina da Organização do Sexy 2007 acusou o jornalista tarado sexual Luís Graça de ter feito uma queixa à Polícia. O alegado jornalista e confirmado tarado sexual ter-se-á queixado aos alegados agentes da alegada Polícia de que teria havido alegado sexo ao vivo no alegado palco da alegada Hard Zone do alegado pavilhão da alegada Arena do alegado rio Arade. Evidentemente alegadamente. Ia queixar-se de quê? De que a caravela que faz a excursão às grutas e vai até Sines não tem um “dealer” a vender droga às 7 da manhã? Ia queixar-se de que foi à Residencial Pimenta buscar um livro para oferecer ao Dr. João Soares (que estava na esplanada a ler os jornais da manhã) e ele não esperou por ele ? (Até porque nem o tinha visto). Ia queixar-se de que estava cheio de fome depois de uma “directa” por não ter alojamento em Portimão e o terem obrigado a pagar os dois belíssimas sumos de laranja natural e as três magníficas sandes de queijo na pastelaria ao lado da sede do Portimonense, impecavelmente limpa e com empregados simpáticos? Ia queixar-de de perder jogos com o Dr. Neves Porcalhota em modalidades tão diferentes como xadrez, matraquilhos e artes de sedução?

O Dr. Neves Porcalhota é um amigo de Rick Dart, originário da Amadora, cujo nome de baptismo é mesmo Porcalhota e foi “babtizado” por António Manuel Francisco Alarcão Chile Praça. António Praça é um sociólogo que estagiou no seminário de Underwater Morning (perto de Londres), sendo amigo do escritor Vergínio Feiteira. É mais conhecido como Toni dos Vibradores e pode-se dizer que tem tanto sentido de humor que é um gajo com “pilhas”.



O apelido Neves eu inventei, para não o poderem identificar: tem cerca de 1 metro e 91, louro, olhos verde-acastanhado-azulado-acinzentados, um de cada cor,como os whiskies, perdão, os Huskys)




Episódio de hoje:

Palco: Exotic Angels.

Actores principais: Oscar Rosmano, Godot, Hamlet e Elizabeth Parkinson.

Actrizes secundárias: importadas da República Checa. Os nomes não mentem: Veronica da Souza, dos Souzas de Praga, e Hana Black, dos Black de Kafkalândia-on-the-Fuckmeplease-Darling.




Cena única (com enceração e cordoaria de Carlos Fragatada, Golgona Mandona e Zé dos Santos Sinistro Tierra)

Didascália: fora do palco, Oscar Rosmano, de microfone em punho, chama gente para dentro da sala, enquanto as checas sem provisões na mochila guardada nos cacifos do hotel se esbodegam todas em meneios sensuais, a tentar chamar público lá para dentro.

Oscar Rosmano (sócio-gerente da Exotic Angels) — “Dois euros. Show lésbico. Vocês não podem perder. Vocês não devem perder. Dentro de momentos, show lésbico com Veronica da Souza e Hana Black. Show lésbico. Dois euros. Vocês não podem perder. Vocês não devem perder”.

Godot (torneiro mecânico em Paris, de férias em Portimão) — Foda-se, estou farto de estar à espera. Nom de Dieu! Já estou aqui há uns bons quinze minutos com a senha na mão e nunca mais entro. Sé Trô! Sé de Lisboa! Sé de Praga!

Hamlet de Fiambre (amigo de Guilherme Shaker Casa Pia) — Entrar ou não entrar, eis a questão...

Elizabeth Parkinson — Ninguém me tira da cabeça... o Luís Graça fez queixa da Organização à Polícia... ele devia era ganhar um Oscar (Rosmano) por representar tão bem... nem parece mentiroso... mas também quem é que vai acreditar nele? O Gimba? O João Alves da Costa? O Juli Simón? O Marcelo Rebelo de Sousa? O Miguel Sousa Tavares? O Rui Cardoso? Isto está-me a tirar a tranquilidade toda. Preciso de falar com o Paulo Bento...








Veronica da Souza e Hana Black revelaram alguma perturbação pelo facto de Luís Graça ter feito queixa delas a Oscar Rosmano: “Ó Oscar, isto assim não pode ser. As miúdas estão a despir-se em todos os espectáculos. Sou obrigado a fazer queixa à Polícia. Não te torno a avisar. A tua sorte é eu não ter tempo para fazer queixa de tudo. Hoje ainda me falta fazer queixa do Hotel Globo, da Praia da Rocha e das camionetas da Renex”.


O Luís Graça fez queixa à Embaixada da Sildávia de que tenho olhos azuis. O que vale é que o Dr. John Trincão não lhe ligou nenhuma...





Próximo episódio: não faço ideia. Depende das queixas que me apeteça fazer na 17ª Esquadra, na João Crisóstomo.

(Tudo bem, Osvaldo? Não me gamaram mais ténis no Holmes, mas nunca se sabe, da forma como eu gosto de fazer queixas à Polícia, sou capaz de ter inventado aquilo da outra vez, no clube da Defensor de Chaves, só para aparecer de chinelos. Posso ser um caso de solidão ou esquizofrenia, a chamada Síndrome de Buffini).

Tenho uma Game Box que me permite fazer 30 queixas por ano e só tenho de preencher uma minuta nas queixas dos jogos da Liga dos Matulões. Eh! pá, o que é que se passou com o Special One, que perdeu um jogo? Tenho de fazer queixa ao Abrãao Nowitzky.






Pensam que acabei de dar música? Olhem, vou citar o António Vitorino, que casou com uma médica que é prima de um grande amigo meu: “Habituem-se”. Ainda agora comecei...isto é só o segundo episódio. E é claro que são sempre livres de me aviar. Já toda a gente sabe que o poema que quero na minha lápide é o Tombstone. Podem ler na coluna da direita do blogue. Não me desfazendo, é um grande poema, Maria de Lourdes Modéstia à Bonaparte.





Auto-publicidade Poético-erótica

1 Comentários:

  • Às 1:26 da tarde , Anonymous Anónimo disse...

    Caro Luís Graça,

    Sou um grande fã da Veronica da Souza! Por acaso não tem mais fotografias desse show lésbico ou quiça um vídeo que possa partilhar.

    Um grande abraço!

     

Enviar um comentário

Subscrever Enviar comentários [Atom]

<< Página inicial